Miguel Pires deixa o esporte de luto.

Dirigente que fez história na Cidade não resiste a derrame

 

 

O esporte da Cidade está de luto. Faleceu, na manhã de ontem, na Capital, aos 72 anos, Miguel Pires, ex-presidente da Fundação Pró-Esporte de Santos e responsável direto pela realização de importantes competições esportivas no município, Pires foi vítima de um derrame que o acometeu durante a semana.

Esportista quando jovem praticou vôlei, futsal e tênis -, Miguel Pires, nascido em Santos em 24 de julho de 1934, foi comerciante de automóveis durante muito tempo, mas nos últimos dez anos vinha se dedicando exclusivamente ao esporte.

Porém, bem antes disso, Miguel já havia adquirido uma verdadeira obsessão em trazer de volta para Santos os Jogos Abertos do Interior. O sonho foi realizado em 1987, quando, após 22 anos, a Cidade voltou a ser sede da competição e, de quebra, saiu de um jejum de 19 anos sem título, Já como presidente da Fundação Pró-Esporte de Santos (entre os anos de 2000 e 2003), Miguel repetiu o feito de trazer os Jogos para a Cidade em 2000 e 2003, Nesse Último ano, Santos voltou a ser campeã.

"Era o meu amor. Só tenho orgulho em falar dele. Era um esportista nato. Sou suspeita para falar, mas poucas pessoas fizeram o que ele fez pelo esporte da Cidade", contou Neide Lopes Vieira Pires, mulher de Miguel, com quem era casada havia 46 anos.

Em nota, o prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa, também lamentou a perda do amigo e colaborador. "Nesse momento de pesar nos solidarizamos com a dor da família, lembrando que o trabalho incansável de Miguel Pires nos governos Oswaldo Justo, Beto Mansur e também no atual Governo, colocou Santos em lugar de destaque no cenário nacional, consolidando a Cidade como referência no esporte".

 

 

 

Feitos históricos

 

Miguel Pires também fez história no Tênis Clube de Santos, onde por muitos anos foi diretor de Esportes, Como presidente, nos anos de 1995 e 1996, foi responsável por duas façanhas sem precedentes na história do clube e da Cidade. Em 96, trouxe para o Tênis Clube a 26ª edição do Banana Bowl - um dos torneios juvenis mais importantes da modalidade, Nesse ano, o argentino Guillermo Coria, atual número 42 do mundo, mas que já esteve entre os três melhores, marcou presença no torneio.

Foi também em 96 que Miguel Pires trouxe para o Tênis Clube de Santos a realização da Copa Davis. Além dos santistas poderem ver de perto o confronto entre Brasil x Venezuela, o público teve o prazer de assistir à estréia do então jovem tenista Gustavo Kuerten na Davis. Nos anos seguintes, Guga seria tricampeão de Roland Garros (1997, 2000 e 2001). “Ele era um realizador e batalhador das atividades esportivas. Conseguiu tocar as pessoas por meio do esporte” resumiu Márcio Pires, um dos filhos de Miguel.

Além da mulher Neide, Miguel Pires deixa os filhos Miguel Pires Júnior, de 44 anos, e Márcio Pires, de 40, e os netos Gabriel, Felipe, Rodrigo, Eloísa e Olívia.

O corpo está sendo velado na Memorial Necrópole Ecumênica. O sepultamento acontece hoje, às 11 horas, no mesmo local.

 

HOMENAGEM:

 

“Era um cara super dinâmico, trabalhava demais para o esporte e não aceitava

as dificuldades que atrapalhassem a realização de seus ideais, como a constante falta de verba para o esporte. Ele se entregou de corpo e alma para a realização dos Jogos Abertos do Interior na Cidade. “É uma perda muito grande para o esporte”

Rogério Sampaio

(Campeão olímpico e presidente da Fundação Pré-Esporte)

 

“Ele não pensava no individual e, sim, no coletivo. Prestou grandes serviços para o Tênis Clube de Santos e para o esporte da Cidade. Era um empreendedor.”

Milton Rubens Bernardes Calves, o Badá

(presidente do Conselho Deliberativo do Tênis clube de Santos)

 

“É uma perda muito grande para a Cidade, porque foi uma pessoa que desenvolveu um trabalho intenso no esporte santista. Era uma figura muito querida por todos que o conheciam.”

José Carlos Soares Campos

(presidente do Tênis Clube de Santos)

 

“Foi um marco no esporte da Cidade, principalmente pela sua atuação na Fupes, onde levou o nome de Santos ao patamar mais alto do esporte”

Lidney Castro Vallejo

(secretário municipal de Esportes de Santos)

 

“Poucas pessoas fizeram o que ele fez pelo esporte da Cidade.”

Neide Lopes Vieira Pires

(esposa)

 

“Era um realizador no esporte. Conseguia tocar as pessoas através do esporte, era um batalhador.”

Márcio Pires

(filho)

 

 

 

Nota: Artigo publicado no jornal A Tribuna de 27 de agosto de 2.006.

Busca

Patrocinadores:


Almanaque Esportivo de Santos
Copyright © 1988/2014 - Todos os Direitos Reservados